Jogo 4: Tudo que você precisa saber sobre 49ers@Cardinals

SANTA CLARA, CA - OCTOBER 06: Larry Fitzgerald #11 of the Arizona Cardinals makes a catch against the San Francisco 49ers during their NFL game at Levi's Stadium on October 6, 2016 in Santa Clara, California. (Photo by Ezra Shaw/Getty Images)

Arizona Cardinals e San Francisco 49ers se enfrentarão neste domingo, 1º de outubro, pela quarta semana da temporada 2017 da NFL. O jogo ocorrerá no University of Phoenix Stadium e o pontapé inicial será as 17h05. Infelizmente, não haverá transmissão para o Brasil.

Os times se enfrentarão pela 52ª vez e o time californiano é o que mais venceu: 29 a 22.

 

1 – LINHA OFENSIVA, JARED VELDHEER, MIKE IUPATI, ETC

Durante os 3 primeiros jogos não há consenso maior: a linha ofensiva tem comprometido o ataque dos Cardinals. A incapacidade de abrir gaps para o jogo corrido e o péssimo desempenho no pass block tem relação direta ao péssimo desempenho ofensivo dos Cards. Numa unidade tão ruim, o desempenho de um jogador em especial tem chamado atenção. Jared Veldheer, um dos melhores left tackles da liga há dois anos atrás, tem sofrido muito com a transição para o lado direito. Em 3 jogos, foram 2 sacks cedidos, 2 hits e 15 hurries, o 4º pior desempenho entre 70 offensive tackles da liga.

Já Mike Iupati, um dos melhores run blockers da liga, tem sofrido com lesões e foi para o Injured Reserve, com isso Dorian Johnson deve ser promovido ao roster principal. A boa notícia é a possível volta de DJ Humphries a posição de LT. Com isso, a linha ofensiva titular no domingo deve ser: DJ Humphries (LT), John Wetzel (LG), AQ Shipley (C), Evan Boehm (RG) e Jared Veldheer (RT). Caso Humphries não atue, John Wetzel deverá atuar de LT e Daniel Munyer ou Dorian Johnson de LG.

 

2 – FRONT SEVEN DOS 49ERS

Como se não bastasse a linha ofensiva dos Cardinals ser uma das piores da liga, no jogo deste domingo enfrentaremos um dos front seven mais promissor da liga. Recheado de jogadores jovens e com muita vontade, os 49ers aposta em muita pressão para conseguir sua primeira vitória na temporada. A defesa do time de San Francisco é 10ª melhor contra o jogo corrido além 6 fumbles forçados, a melhor marca da NFL.

Caso Palmer consiga sobreviver à pressão, deverá fazer seu nome contra a fraca e desfalcada secundária dos 49ers. A volta de John Brown será importante para abrir a secundária.

 

3 – RUN DEFENSE

Após três jogos dos 49ers, está bem claro: o ataque tem seu ponto forte no jogo corrido. Embora os 49ers seja o 10º time que mais passa (ratio 62-38), Carlos Hyde tem carregado o ataque do time. Ele corre em média 84,3 jardas por jogo, 3ª melhor marca da NFL em 2017.

Parar Hyde será forçar o mediano Bryan Hoyer lançar a bola, colocando o veterano QB contra a boa, porém inconsistente, secundária do time de Arizona.

 

4 – SPECIAL TEAMS

Tá complicado: são 3 anos seguidos que a unidade dos Cardinals é a pior da NFL. Punts bloqueados, field goals perdidos, péssima cobertura em retornos, punts ruins, faltas que anulam FG do adversário e coloca o ataque adversário em campo… tudo isso tem sido rotina nos Cardinals há anos.

A diferença dos anos anteriores para este é que neste ano o time de Arizona investiu em Special Teams. Isso evidencia a (falta de) qualidade dos treinadores dos Cardinals.

 

5 – COACHING

Quando um time com muito talento não rende o esperado, indica que o problema pode estar em quem comanda. Contra os Cowboys foi um festival de erros. Desafio em jogada perdida, chamadas ofensivas previsível, chamadas defensivas que não preveem o que o adversário irá fazer e claro, péssimas estratégias de special teams. A verdade é que os Cardinals não parece estar em 2017. Não parece sequer estudar a fundo os adversários que enfrenta.

Enquanto a comissão técnica não se adaptar e não se atualizar, dificilmente os Cardinals conquistarão resultado diferente do que colecionar derrotas.