Jogo 3: Tudo que você precisa saber sobre Cowboys@Cardinals

Arizona Cardinals e Dallas Cowboys se enfrentarão nesta segunda-feira, 25 de setembro, pela 3ª semana da NFL.

O pontapé inicial será as 21h30 horário de Brasília e terá transmissão da ESPN para todo território nacional. Será o primeiro jogo dos Cardinals em casa nesta temporada e desta vez não temos o favoritismo ao nosso lado.

Vamos ao jogo desta segunda. Aqui estão os 5 headlines que poderão definir o jogo.

 

1 – OFFENSIVE LINE

 

No intervalo do jogo contra os Colts, perguntado porque o ataque não conseguia jogar, Bruce Arians foi enfático: “o problema é o quarterback”. A insatisfação de Arians se repetiu até a entrevista coletiva após o jogo, quando resumiu o problema do ataque em uma frase: “o quarterback tem que jogar melhor”

Entretanto, no dia seguinte, Arians voltou atrás e disse que revendo o tape da partida, percebeu que Carson Palmer (QB) jogou muito bem e colocou a culpa na linha ofensiva.

O fato é que, revendo o jogo, é possível perceber que a linha ofensiva, com exceção de John Wetzel (LT) – e talvez AQ Shipley (C) – foi a nata da porcaria (só para não usar palavrão).

 

E o problema está principalmente do lado direito da linha, onde tanto o RG Evan Boehm e o RT Jared Veldheer estão jogando fora da posição natural: Boehm era center e Veldheer left tackle. No jogo contra os Colts, Veldheer foi batido imediatamente após o snap 4 vezes e Boehm 5.

Nem mesmo espaço para o jogo corrido a linha conseguiu abrir. Com exceção de Chris Johnson, todos os outros corredores não passaram das 33 jardas em 11 carregadas. A volta deve Mike Iupati (LG) deverá melhorar a unidade neste quesito.

 

2 – CARSON PALMER

 

Ainda que a linha ofensiva seja o principal problema deste ataque, isso não isenta Carson Palmer de culpa. Leituras equivocadas, lançamentos sem precisão e pouca mobilidade tem sido a marca Carson Palmer 2017. Contra os Colts foram muitos passes arriscados, sendo um deles que quase comprometeu o field goal de empate de Phil Dawson, pois chegou a ser desviado.

O fato é que o DNA de Palmer é ser agressivo e ligeiramente inconsequente, lançando bolas em janelas apertadas, para recebedores em marcação tripla. O que faz Palmer ainda ser considerado como um QB top 15 é sua precisão.

Mas durante a carreira de Palmer sempre ficou clara duas coisas: ele precisa de proteção decente e precisa de sincronia com os recebedores. A proteção já não é tão boa quanto 2015 e os recebedores são o pior grupo de Arizona dos últimos anos, o que explica em grande parte a queda de rendimento de Palmer.

 

A outra parte deve-se ao próprio rendimento de Palmer. A grande questão dos Cardinals nessa temporada é primeiro dar proteção a Palmer, e segundo o próprio Palmer responder bem.

No primeiro jogo contra os Lions nada disso aconteceu, no segundo a proteção continuou ruim, mas Palmer se sobressaiu. E no terceiro, qual será a história?

 

3 – PARAR O JOGO CORRIDO DOS COWBOYS

 

Não se engane, o péssimo rendimento de Ezekiel Elliott no jogo da última semana contra o Denver Broncos não indica absolutamente nada, foi uma exceção.

O Dallas Cowboys tem tido, ao menos nas últimas 3 ou 4 temporadas, a melhor linha ofensiva da NFL. Capaz de consagrar running backs medianos, como Darren McFadden.

 

Depois do duelo da linha ofensiva dos Cardinals contra o bom front seven dos Cowboys, esse é o duelo igualmente importante para manter os Cardinals no jogo. A DL dos Cards, embora bem treinada, é bem pior contra o jogo corrido sem Calais Campbell, mesmo que os números indiquem o contrário.

Que a força esteja com Nkemdiche, Peters, Rucker e Mauro.

 

4 – DEZ BRYANT vs PATRICK PETERSON

 

Dentre os duelos que Patrick Peterson já travou contra os melhores recebedores da liga, Dez Bryant parece ser o mais midiático.

Nos dois confrontos entre eles, Peterson cedeu 101 jardas e 2 TDs, sendo um deles já no garbage time. “É o tipo de jogo que você sabe que a bola vem do seu lado. Nenhum time vai ficar tímido quando tem um recebedor do nível de Dez Bryant”.

 

Já Dez Bryant chamou Peterson de um excelente CB: “ele é indiscutivelmente o melhor CB da liga”. “Eu conheço ele, ele me conhece. Vai ser um matchup muito bom”, finalizou Bryant, que marcou um touchdown na derrota para Denver.

Bethel e Tyrann Mathieu ainda terão que dar conta de Terrance Williams e Cole Beasley, mas limitar Dez Bryant é o primeiro grande passo para neutralizar o jogo aéreo dos Cowboys.

 

5 – JASON WITTEN

 

E o segundo grande passo para neutralizar o jogo aéreo dos Cowboys é anular Jason Witten. O veterano tight end da equipe do Texas começou a temporada em excelente forma.

Já a defesa de Arizona começou a temporada com velhos problemas na marcação de TEs. Contra os Colts, Jack Doyle deitou e rolou: foram 8 recepções em 8 targets.